25/12/10

Tenho uma dúzia de medos. Um deles é de acordar. O outro é de ficar a dormir para sempre.

2 comentários:

catarina disse...

e a neve.

Francisco Almeida disse...

Eu... Hum. Tenho medo de ter perdido a sanidade, confirmo mais uma vez.

Tentei lidar com o que perdi (com o que estou a perder) racionalmente. Separei o cérebro do coração para nenhum dois saber nunca onde parava o outro. Resulta... Até certo ponto. Só com a irracionalidade, a fuga total, o fazer tudo para sair daquele mundo e daquele vício é que se completa o resto, é que se fica sentir... é como álcool numa ferida aberta, sabes? Mas desinfecta. (Apesar de haver sempre algo que nos impede de fugir totalmente, voluntariamente ou não.)

Mas é claro que passa, que vai, que desaparece. E volta a acontecer, sim. Não respondas, mocinha. Fico feliz por ambos sabermos que é uma questão de gestão.*