12/01/10

Cama

Aqui dentro está tão bom! Está quente e escuro e silencioso. Aqui dentro não há antes nem depois, não há bom nem mau, não há dia nem noite; aqui dentro há apenas agora: uma sucessão de agoras quentes e aconchegados. Aqui dentro estou tão bem. Porque hei-de eu sair?, pôr os pés descalços no chão frio e arrepiar-me com a falta de aconchego, afastar as cortinas e semicerrar os olhos por causa da luz, abrir a porta do quarto e enfrentar um novo dia. Não. Aqui dentro está tão bom! Aqui dentro posso dormir e sonhar que estás comigo; posso fingir que o cobertor que me prende são os teus braços a segurar-me e que o calor dos lençóis é o calor da tua respiração; posso fingir que a almofada é o teu peito e que a música dos headphones é a tua voz a dizer-me palavras bonitas como dantes. Na rua, na chuva, no frio, tu voltas a desaparecer. E eu quero que tu fiques comigo. Então porque hei-de eu sair?

1 comentário:

rita disse...

Sim, acho que o mais importante é a gente se exprimir, "deitar cá para fora" aquilo que quiser, quando, como e onde for :]

Gostei bastante deste texto. Sinceramente, creio que retrata algo comum a muita gente.
A propósito, estou a seguir este blog, espero que não haja mal :x