04/11/10

Atingi o meu limite, em todos os sentidos. Isso quer dizer que, de alguma forma, morri. Agora sou um zombie. Um zombie acordado até, pelo menos, às quatro da manhã. Curioso é ver que aos zombies também arde o coração.

2 comentários:

Francisco Almeida disse...

Será desnecessário dizer que me identifico...

...Não zombifiques mais do que o necessário, não? É o meu pedido inocente de hoje.

(E vou começar a investigar o reportório dos Franz Ferdinand, que já devia ter começado à imenso tempo)

Francisco Almeida disse...

Não publico nenhum de ambos, sequer. Fica descansada.

Pois... É que justamente por achar que era o teu lema de vida - pensei em mim para lá chegar - é que disse o que disse. Pensei até mais no que está inerente do que nas tuas próprias palavras... Pedir calma para ti seria inútil, não seria? Porra.

3 coisas para registares, então, da minha parte:
1ª - Não te sintas obrigada a responder ao meu comentário... Não quero, não quero, não quero (e mil vezes "não quero") que sintas isso. Respondes, se quiseres e puderes. Se não, paciência, não vou ser eu que vou levar a mal.

2ª - I know, I know you're busy. Mas também meter conversa por meter no msn não é do meu género.

3ª - A tua fraqueza arrepia-me. Por me ver tanto, tanto, tanto nela. Oh, eu sei que 99% das pessoas o irão dizer - o que acaba por ser frustrante. De qualquer das maneiras...

Obrigado pelo mail.*