16/06/09

Inerte

Ao meu redor inúmeros corpos indistinguíveis movimentam-se,
Correm para todos os lados a velocidades estonteantes,
Vozes misturam-se e ressoam na minha cabeça
E apesar de estarem tão próximas,
De ocuparem todo o ar à minha volta,
Ouço-as como uma sinfonia distante e imperceptível.
Tudo à minha volta é movimento:
É a mudança em forma de sons, cores e velocidades,
São etapas a suceder-se, ciclos a fechar-se, erros a repetirem-se,
É a mesma felicidade a ser construída e a desmoronar no mesmo instante.
Tudo à minha volta é mudança,
Tudo se move como que arrastado por uma forte corrente.
Tudo cede.
Ninguém parece resistir.
Menos eu.
Eu permaneço no mesmo lugar
E pareço ser a única pessoa que vai ficando,
Como uma pedra demasiado pesada para ser arrastada.

Tu muda, tudo se move, menos eu.

16 de Junho de 2009

3 comentários:

Péssima Estreia disse...

este está espetacular :|

Péssima Estreia disse...

hoje precisei mesmo de o dizer.
não tens de agradecer. está mesmo mesmo woow!

Péssima Estreia disse...

tenho de exprimentar